Março 2013

Sábado, 23

19h00

RECITAL

MÚSICA BRASILEIRA, EXPRESSÃO DE VIDA

PIANO NO BRASIL NUM PERCURSO DE DOIS SÉCULOS

GLÁUCIA LEAL PIANO

Gláucia Leal
De nacionalidade brasileira, reside em Portugal desde 1986. No Brasil licenciou-se em Artes Plásticas pela Universidade Santa Cecília de Santos, concluiu o curso complementar de Piano no Conservatório Lavignac e posteriormente aperfeiçoou seus estudos pianísticos com  Isolda Bassi Bruch em São Paulo.
Realizou concertos a solo e música de câmara merecendo atenção do compositor e crítico Gilberto Mendes.
Em Portugal, teve aulas com  Olga Prats,  Alain Jacquon , Tania Achot e Wladimir Viardo ( Master Class).
Em 1999 concluiu a Licenciatura em Piano pela Escola Superior de Música de Lisboa nas classes de Jorge Moyano (Piano) e Olga Prats (Música de Câmara). No mesmo ano participou do projecto Pós-Graduação em Música de Câmara sob a orientação de Stephen Tran Ngoc.
Como pianista, ilustrou o Seminário de Música Contemporânea realizado em 1987 na Sociedade Portuguesa de Autores com obra de  Marlos Nobre. Actuou em concerto oferecido à Embaixada Brasileira em homenagem ao Centenário de Nascimento  de  Heitor Villa Lobos e apresentou-se nos concertos à hora do almoço na Fundação Gulbenkian.
Fez parte do Septeto de Stravinsky na Gala do 3º Congresso do Ensino Superior Politécnico em Oeiras no ano de 1998.
 Foi pianista do DUOTONALIS, duo com a flautista Sílvia Sobral, com a apresentação de  vários concertos destacando-se "Meu Caro Lopes-Graça..."  e "Origens - Das Modinhas Imperiais ao Século XX", comemoração dos 200 anos da chegada de D.João VI com a Corte Portuguesa ao Brasil .
De 2001 a 2006 foi membro do Júri do Concurso Lopes-Graça - Disciplina de Piano realizado na cidade de Tomar.
Em 2012  participou como pianista  do recital “Musíada” realizado em Torres Novas, tendo como tema a música erudita portuguesa.
Atualmente dedica-se ao ensino docente nos Conservatórios Jaime Chavinha em Minde e Choral Phydellius em Torres Novas.
Continua como mentora e colaboradora de vários projectos dedicados à divulgação da Música Brasileira e Portuguesa.

Notas do Programa
Para este  recital foram escolhidos compositores emblemáticos, quer a nível da qualidade musical e sua repercussão internacional, quer a nível da preocupação e interesse pelas raízes populares da sua nacionalidade .
As ideias nacionalistas na música brasileira começaram a surgir pelos finais do século XIX, e a introdução do piano no Brasil por esta época contribuiu para o desenvolvimento sócio – musical nas principais capitais brasileiras. Chiquinha Gonzaga e Ernesto Nazareth foram os compositores mais representativos da época. Villa Lobos surgiu mais tarde como o fixador do nacionalismo musical brasileiro.
A primeira metade do século XX representou sobretudo a busca por novas tendências vindas da europa como o atonalismo. Paralelamente  a verdadeira expressão nacionalista ganhou alguma força, elevando as ideias seriais  como disciplina e técnica de uma nova expressão musical. Cláudio Santoro e Gilberto Mendes são representantes desse período, sendo este último, o impulsionador do Festival de Música Nova de Santos existente há 50 anos.  Marlos Nobre, considerado o mais premiado de todos, é um compositor que apresenta uma escrita moderna e experimental sem perder a essência nacional.

Programa

 

Chiquinha Gonzaga (1847-1935)

Lua Branca
Gaúcho ( Corta- Jaca)
Anita
Atraente

 

Ernesto Nazareth (1863-1934)   

Nove de Maio   
Escorregando
Fon Fon       
Orminda

  Heitor  Villa Lobos (1887-1959)

Três Marias
Valsa da dor

  Cláudio Santoro (1919-1989)  

Seis Prelúdios

  Marlos Nobre ( 1939)

3º Ciclo Nordestino op 22 

 

Gilberto Mendes ( 1922)   

Ventos Alísios
Estudo de Síntese
Sonatina à la Mozart

AGENDA